“Millenials” estão sendo responsáveis por marcas abandonarem o uso de pele animal

273

É muito legal saber que os jovens de hoje em dia estão se preocupando com nossa natureza, principalmente pelo direito dos animais. Eles estão exigindo tecnologia sustentável para entrar no meio moda no lugar do luxo e ostentação de roupas que tem o uso de pele animal.

Os jovens denominados “millenials”, nascidos entre 1979 e 1995, estão muito conectados ao ativismo e a proteção animal. Desta forma, procuram um consumo mais sustentável e o vestuário está incluso nisso.

Não é necessário a matança de animais se existem outras opções, é o que pensam esses jovens. Eles já não vêem o glamour que esse tipo de roupa feita com o uso de pele animal tinha em décadas passadas. O que importa é parar com a matança de animais, como ocorreu com 5 milhões de jacarés na década de 80 no Pantanal.

Esse caso específico fez com que a Polícia Militar Ambiental tomasse uma atitude. Futuramente a legislação quanto a caça foi mudada para combatê-la aqui no Brasil.

Porém diversas marcas internacionais famosíssimas como Gucci, Hugo Boss, Burberry, Chanel, estão recuando em suas novas coleções por causa da pressão dos movimentos de proteção aos animais, além do próprio mercado, que exige soluções mais ecológicas, sustentáveis e éticas.

A pressão do público fez com que grandes marcas de moda parassem de fazer o uso de pele animal em suas roupas. E além de as empresas de roupa estarem abandonando as peles de animais, muitas cidades e países ao redor do mundo proibiram completamente o uso de pele animal.

Vestir-se com a pele de um animal é uma questão histórica, de sobrevivência para se proteger do frio. Porém isso está no passado, hoje temos milhares de materiais para que possamos nos vestir bem com conforto e ficarmos devidamente aquecidos. 

Futuramente virou uma questão de luxo e as marcas investiram pesado na matança dos animais para que pudessem criar os melhores modelos. Vocês tem a noção que para fazer um casaco do tamanho “M”eram utilizadas as peles de 30 coelhos? Isso é um absurdo!

Além de todo o sofrimento animal, os “millenials” criticam o uso de peles argumentando que todo o processo de tratamento da pele é insustentável. Para o material não apodrecer, é preciso prepará-lo com produtos químicos que danificam o meio ambiente, e os processos de tingimento desperdiçam grande quantidade de água. 

Vou te dar uma dica importante agora… A escolha por peles sintéticas também não é a ideal, pois elas são feitas com derivados do petróleo. As opções mais agradáveis ao meio ambiente são o algodão e a ráfia (planta que dá origem a um tipo de tecido).

Existe algo que está crescendo que é a produção de roupas através do couro do abacaxi. A fibra da folha dessa fruta é um subproduto da indústria agrícola, o que não gera nenhum gasto, água ou defensivos agrícolas para sua produção e tem a mesma textura, isolamento e função que o couro animal ou sintético. Olha aí que solução sustentável! Pena que está muito longe da gente, sendo desenvolvida nas Filipinas pela designer espanhola Carmen Hijosa.

Espero ter ajudado,
Maria Virou Eco. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor digite o seu nome aqui